Jesuítas da PAAM seguem firmes na colaboração com a causa indígena 

Assembleia do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) contou com inúmeras reflexões e participação ativa de representantes da Companhia de Jesus
Jesuítas da PAAM seguem firmes na colaboração com a causa indígena 

Entre os dias 02 e 04 de fevereiro de 2024, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) realizou a sua 44ª Assembleia do Regional Norte I. Os jesuítas da Província do Brasil (BRA) também estavam lá e participaram ativamente na programação das místicas, celebrações, rodas de conversa e debates sobre a conjuntura da política indigenista e os desafios para os povos indígenas. Na oportunidade, se fizeram presentes: Pe. Rogério Mosimann da Silva, SJ (Delegado para a Preferência Apostólica Amazônia), Pe. Vanildo Filho, SJ (Coordenador da pastoral indigenista da Província), Pe. Paco Almenar, SJ (Missionário na Área indígena da Serra da Lua, em Roraima), Pe. Urbano Miller, SJ (Missionário na Área indígena do Vale do Javari, no Amazonas) e Pe. Sílvio Marques, SJ (Diretor do Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental).

Jesuítas da PAAM seguem firmes na colaboração com a causa indígena 

Motivado pelo tema “A luta por Territórios Livres: Avanços e retrocessos na defesa dos direitos dos povos indígenas” e o lema “A terra geme em dores de parto (Rm 8,22)”,  Pe. Vanildo Filho, SJ, ressaltou que “estamos vivendo um período desafiador, marcado por intensos ataques aos direitos indígenas”. Após ouvir a mesa que refletiu sobre o processo de demarcação dos territórios indígenas, ficou claro o descaso e contradições nos argumentos utilizados pelo governo brasileiro. A liderança Felipe Mura, por exemplo, quando questionou a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) sobre o atraso na demarcação de sua terra indígena, ouviu “que não há funcionários para continuar o processo de demarcação”. Já no mês seguinte, o argumento foi de que “os funcionários estão de férias”. Deste modo, fica evidente todo o descaso e a omissão do poder público. “Que órgão é esse que contrata seus servidores e no mês seguinte dá férias?”, comentou Felipe, afirmando que os Mura continuarão lutando pela demarcação de seu território.

Jesuítas da PAAM seguem firmes na colaboração com a causa indígena 
Foto: Pe. Rogério Mosimann da Silva, SJ, Pe. Paco Almenar, SJ e Pe. Vanildo Filho, SJ.

Por fim, os jesuítas agradeceram aos companheiros(as) do Cimi, aqueles(as) que doam a sua vida para a causa do Reino de Deus, do Bem viver dos povos, na defesa da vida, dos direitos e da terra. É um serviço de amor aos pobres, da terra, por isso, “bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra”.

Sobre a programação

A assembleia aconteceu no Centro de Formação Xare, localizado no Ramal dos Padres, no Km 22 da BR-174, nas proximidades de Manaus (AM), e contou com uma programação ampla:

  • Primeiro Dia – Apresentação e aprovação da pauta da assembleia; Exposição da primeira mesa: “Conjuntura sociopolítica ambiental e Eclesial Pan-Amazônica”, seguida de plenária; segunda mesa: “Indígenas em contexto Urbano e políticas de identidade”, com plenária; Exposição da terceira mesa: “Defesa da Constituição Federal de 1988 e da Natureza como sujeito de direito”, seguida de plenária.
  • Segundo Dia – Quarta mesa: “Desafios da exploração econômica das TIs e morosidade no processo de demarcação”, com plenária; Exposição da conjuntura político indigenista e apresentação Povos Indígenas e Justiça Criminal; Leitura do relatório da Coordenação Regional do CIMI Norte I, aprovação e apresentação de prioridades e estratégias; Grupos de trabalho para reflexão sobre a atuação do Cimi no ano, de acordo com as prioridades.
  • Terceiro Dia – Leitura da síntese dos trabalhos em grupo e aprovação de estratégias e linhas de ação para 2024-2025; Apresentação do Relatório Contábil e leitura do relatório do Conselho fiscal; Deliberações, incluindo o referendo do Padre Bob Francisco Mulega como missionário do Regional; Definição da equipe do Xare, informes sobre a Casa de Apoio aos Missionários e Escritório.
  • Último Dia – Aprovação das estratégias e linhas de ação do Regional para 2024-2025; Apresentação do Relatório Contábil e leitura do relatório do Conselho fiscal; Deliberações sobre a composição da equipe do Xare, informes sobre a Casa de Apoio aos Missionários e Escritório; Definição da agenda de atividades para o ano, incluindo o segundo Fórum das equipes em julho e a próxima Assembleia Regional, aguardando confirmação das datas pela assembleia dos bispos.

INFORMAÇÕES DE CONTATO

ascom

COMPARTILHAR

Notícias Relacionadas